30 de novembro de 2010

O filme western: um pouco de história - parte 3


Os primeiros anos









  Cripple Creek Bar Room
  A primeira cena western




          O filme western nasceu praticamente junto com o cinema. Com Cripple Creek Bar Room e Poker at Dawson City, ambas de 1899, surgem as primeiras cenas westernianas de que se tem notícia. Foram “protagonizadas” pela companhia de Thomas Edison e têm cerca de 3 minutos de duração. Entretanto, é com The Great Train Robbery/1903 (O grande roubo do trem), de Edwin S. Porter, que o gênero, e mesmo o cinema, consegue considerável avanço na estrutura narrativa e na técnica de montagem. Com cerca de 10 minutos, diferencia-se de pronto das primeiras imagens do gênero por apresentar cenas externas, em locações, recurso largamente utilizado pelo gênero e que teve como grande cultor o, para muitos, maior diretor de westerns, e diretor mais premiado da história do Oscar, com quatro prêmios, John Ford. Tornando-se atualmente lugar comum no cinema, hoje é bem mais fácil fazer-se filmagens em locações, mas, nos primeiros tempos do cinema, esse foi um de seus grandes desafios.
Em 1910, surgem o primeiro herói e o primeiro astro do cinema, com o filme Broncho Billy’s Redemption, estrelado por Gilbert M. Anderson, que havia participado de The Great Train Robbery. Detalhe é que, como o filme fora baseado em um livro de um autor de nome Peter B. Kyne, Anderson tornou-se, também, o primeiro a pagar direitos autorais da adaptação no cinema, para o autor da história.
Dentro de pouco tempo, o western tornou-se o gênero mais popular do cinema. Começaram a surgir, então, inúmeros atores, escritores especializados em velho oeste, que não custaram a começar a contar histórias de personagens míticas do oeste real, como Buffalo Bill, Wyatt Earp, Doc Holliday, Billy the Kid, entre tantos outros.
É nessa época que surge um gênio do cinema, considerado por muitos o pai da linguagem cinematográfica: David W. Griffith. Outro nome de peso da época é Thomas Ince. Ambos deram ênfase à presença de índios nos filmes, inclusive índios reais, mas a grande contribuição de Griffith é quanto à técnica. Ele desenvolveu a técnica cinematográfica, criando os aspectos principais que até hoje constituem o cerne dessa linguagem, como o recurso de montagem, os cortes, o uso dramático dos planos, os flashbacks, os traveling’s, etc. Ince, por sua vez, foi responsável, sobretudo, pela organização e planejamento das produções. Inaugurou, por exemplo, o hábito de fazer um roteiro, no qual descrevia, com minúcias, detalhes de cenário, de movimentos de câmera, etc. Essa prática tinha, entre outros, o objetivo de controlar as despesas, inclusive por reduzir o tempo das filmagens.
Os filmes de Broncho Billy centravam-se na ação e não representavam o autêntico homem do oeste. Assim, o western só começa a caminhar para certa maturidade em meados da segunda década, quando surgem diretores como Cecil B. de Mille, que então já demonstrava gosto pelo épico, e William S. Hart, que deu certa consistência ao gênero. De Mille estreia no gênero em 1914, com The Squaw Man (Amor de Índio) e Hart, em busca da autenticidade do velho oeste, oferece-nos aquele que é considerado o primeiro western adulto: Hell’s Hinges/1916 (Terra do Inferno).
William S. Hart, que ao chegar a Hollywood associara-se a Thomas Ince, foi responsável por elevar o western artisticamente e consolidar-lhe o sucesso comercial, inclusive exportando-o para a Europa. Hart abandonou os filmes curtos, de cerca de 10, 20 minutos, voltando-se para a produção de longas, o que certamente beneficiou a execução de sua visão austera do oeste. Uma curiosidade para os amantes do western é saber que ele foi o primeiro criador a batizar o cavalo do mocinho no gênero, Fritz, um recurso largamente utilizado pelos western’s B.
Se Hart iniciou a prática do batismo animal, outros, como Tom Mix, encarregaram-se de avacalhar a prática. Em 1918, Tom Mix, assina com a 20th Century-Fox e cria um estilo de western fantasioso, cheio de exageros e capaz de cativar pessoas de todas as idades. Seus westerns eram cheios de ação e evitavam claramente o uso indiscriminado da violência, em favor do espetáculo e da diversão. Com essa receita, Tom Mix tomou o trono de senhor do western de Willian S. Hart.
Como herança dos estilos de Hart e Tom Mix, o western dividiu-se definitivamente em duas categorias, o western A, herdeiro de Hart, e o western B, herdeiro de Tom Mix, com uma multidão de sequazes, como Buck Jones, Fred Thomson, Ken Maynard, Tim McCoy e até o famoso cachorro Rin-tin-tin. Em 1918 surge o primeiro seriado western, Hands Up (O Cavaleiro Fantasma), que seria área fértil e exaustivamente explorada pela indústria. Assim, ao lado dos programas duplos, em que se exibiam filmes B, antes da atração principal, um filme A, apareceram as matinês recheadas de western, que serviam, sobretudo na década de 30, ao escapismo americano pós-depressão.
A década de vinte assistiu a dois acontecimentos grandiosos para o cinema, a utilização do som na sétima arte, a partir de 1927, com The Jazz Singer,  e, ao lado de figuras de nomeada como Henry King, Gary Cooper, etc., o surgimento de John Ford.
A chegada do som no cinema trouxe enormes desafios para o filme western, uma vez que ele era preferencialmente rodado em locações, e também porque não contava com atores e textos bons para fala, segundo criam os estúdios. Mesmo Chaplin, que se aventurou no western em 1925, com The Gold Rush (Em busca do ouro), teve muitas dificuldades em fazer essa transição. Bem, foi um período difícil para o western, que, inclusive, deixou o westerniano convicto John Ford, por mais de uma década longe do gênero.
Nessa década, surgiram ainda as primeiras superproduções épicas do gênero, com The Covered Wagon/1923 (Os Bandeirantes), de James Cruze e The Iron Horse/1924 (O Cavalo de Ferro), de John Ford. As histórias do Velho Oeste passaram então a perpassar forte carga ideológica do destino e dos ideais americanos. O problema do som no western seria enfim solucionado em 1929 por Raoul Walsh e Irving Cummings, com In old Arizona (No Velho Arizona), apresentando toda a beleza dos sibilos e sons da natureza, e o barulho pomposo dos galopes e das grandes explosões.
Os anos 30, como dissemos, foram de grandes dificuldades, mas eles ofereceram o tímido aparecimento, no western épico sonoro The Big Trail (A Grande Jornada), daquele que viria a ser considerado o maior entre todos os cowboys das telas, John Wayne. Assim como de nosso Roberto Carlos, ou até de Pelé, há quem não goste do seu trabalho, mas não há como negarmos que Marion Michael Morrison, John Wayne,  ou simplesmente “Duke”, foi e é, sem dúvida, o maior entre todos os cowboys do cinema.
Assim é que, nessa década, o filme B tornou-se a seara, e a tábua de salvação, para a indústria, que passava por sérias dificuldades financeiras. Mas, como a redimir-se da trinca, o final da década, 1939, assistiu à união das duas futuras lendas do western, John Ford e Jonh Wayne, que se tornaria um divisor de águas no gênero. E pela primeira vez a crítica se curvava de fato diante de um western. Nascia Stagecoach (No Tempo das Diligências). Mas isso é história para o próximo post. Até lá!

Broncho Billy
 
Tom Mix

     
 

The gold rush,
 cena da única incursão do gênio
 da pantomima no western

David W. Griffith
         

 
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
4 Comentários
Comentários

4 comentários:

E. SANCHES disse...

Este post faz a gente entender e aprender um pouco mais sobre o início do cinema western. As primeiras imagens que daria a origem ao gênero Western e que se tornaria a paixão de muitos cinéfilos.
Estes personagens nunca imaginariam que seriam antecessores de atores como Clint Eastwood, Charles Bronson, Henry Fonda, Kirk Douglas, Lee Van Cleef e tantos outros de nossa época.
Parabéns pelo Post e através dele consegui tirar algumas dúvidas também.

Edelzio Sanches
de.sanches@hotmail.com
www.bangbangitaliana.blogspot.com

Darci Fonseca disse...

Olá, LeMarc
Belíssimo apanhado desse gênero que tanto amamos. Muito boa a comparação de Duke Wayne com Pelé e mesmo Roberto carlos, chamados de Reis por aqui. Assim como Pelé nos emocionava com suas jogadas e R.C. com muitas das canções que cantou, a figura de John Wayne nas telas em westerns de John Ford (principalmente) dão aquele nó na garganta. Como Ethan Edwards vira mesmo choro incontido de emoção.

LeMarc disse...

Olá, caro Darci!

Adoro escrever sobre western, sobre sua história, seus filmes, etc. É muita informação e eu tenho me esforçado para resumi-la, mantendo uma cronologia minimamente fiel aos acontecimentos.

Tenho muito prazer em poder divulgar, junto com você e com tanta gente mais, de grande conhecimento na área, um pouco deste belíssimo gênero cinematográfico que, quando olhado com um pouco mais de atenção, encanta qualquer um. Existem muitos atores e atrizes maravilhosos no western, como Clint Eastwood, Gary Cooper, Randolph Scott, Marlon Brando, Glenn Ford, Eli Walach, James Stewart, etc. etc., mas não há dúvida de que John Wayne sintetiza o gênero. É o eterno cowboy, de figuras maravilhosas, como Ethan Edwards, Ringo Kid, etc. Você tem toda razão: emociona, só de começar a lembrar da filmografia do homem, ou do mito, da lenda, do gênio, que dizia modestamente que não interpretava, era ele mesmo, apenas reagia.

Não é facultado a ninguém conhecer cinema sem conhecer John Wayne.

Grande Abraço!

LeMarc

LeMarc disse...

Comentando agora o comentário do amigo Darci, percebi que deixei escapar o devido comentário à incursão do grande Edelzio. É que, como um verdadeiro aprendiz, acabei involuntariamente deixando escapar algumas coisas de vária natureza no SC. Me redimo aqui, agradecendo ao amigo Edelzio pela observação. Muitas coisas que vimos posteriormente, só poderiam ser mesmo compreendidas, conhecendo-se mais da história do gênero. Aqui, trata-se apenas de um resumo, mas já ajuda, em alguns casos. É um texto que tenta ser fácil e objetivo, sobretudo para quem não conhece muita coisa do gênero, o que não é nem de longe seu caso. Um filme como o espetacular "C'era una volta il west" não pode, por exemplo, ser compreendido cabalmente, se não se conhecer a história anterior do western.

Grande Abraço!

LeMarc

Postar um comentário